8 de jun de 2012

[Poesia] CECÍLIA MEIRELES - Epigrama Nº 7

Cecília Meireles

            
                por  Pedro Luso de Carvalho


       CECÍLIA MEIRELES apareceu no mundo literário do nosso país no ano de 1922, com publicações nas revistas Árvore Nova, Terra de Sol e Festa, que no período de 1919 a 1927, no qual escritores católicos defendiam a renovação das letras brasileiras na base do equilíbrio e do pensamento filosófico. O aparecimento da poetisa deu-se, portanto, por coincidência, na época em que eclodia o movimento modernista  (1922), no qual os escritores nele envolvidos representavam uma outra tendência.

        Cecília Meireles era descendente, pela linha materna, de açorianos de São Miguel. Nasceu no Rio de Janeiro, a 7 de novembro de 1901, cidade em morreu, no dia 9 de novembro de 1964, aos 63 anos de idade.

         Segue o poema Epigrama nº 7, de Cecília Meireles ((In Meireles, Cecília. Flor de poemas. 3ª ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1972, p. 67).



                                             [ESPAÇO DA POESIA]

                                                  EPIGRAMA Nº 7
                                                         (Cecília Meireles)



                         A tua raça de aventura
                         quis ter a terra, o céu, o mar.

     
                        Na minha, há uma delícia obscura
                        em não querer, em não ganhar...

     
                        A tua raça quer partir,
                        guerrear, sofrer, vencer, voltar.

     
                        A minha, não quer ir nem vir.
                        A minha raça quer passar.



                                                                      *  *  *


Um comentário:

  1. Quando eu trabalhava com crianças costumava decorar os poemas infantis e o que eu mais gostava de dizer era o poema As Borboletas.
    Beijos!

    ResponderExcluir

LOGO O SEU COMENTÁRIO SERÁ PUBLICADO.

OBRIGADO PELA VISITA.

PEDRO LUSO