10 de mai de 2011

PEDRO LUSO - Sobre a Mentira

Iberê Camargo - Sem título, 1986

               
                 por  Pedro Luso de Carvalho


         
       Ninguém poderá afirmar, sem sentir um certo desconforto, que jamais mentiu em algum momento de sua vida. Até porque a mentira às vezes é a única saída que temos para situações embaraçosas, ou de outras, que, por exemplo, poderiam levar-nos assumir dívida de amigo ou parente na condição de avalista seu, para a compra de um determinado bem. 

       Nesses casos, a mentira não poderá ser vista como ato que revele fraqueza de caráter ou distúrbio mental, como poderá ser dito de quem seja mentiroso contumaz, isto é, aquela pessoa que, sem a menor necessidade, é compelida a mentir. Eu conheço um bom número desse tipo de pessoas, que levam-me a duvidar de tudo o que dizem, sobre este ou aquele assunto.  

        O convívio com pessoas que mentem é muito difícil e desinteressante. Eu tenho aversão a esse tipo pessoa, que não titubeia em dizer, por exemplo, que visita Paris uma vez por ano, quando sequer chegou a conhecê-la. Infelizmente, tenho suportado alguns colegas e parentes próximos que, todos eles, vivem em suas teias de mentira, e não se dão conta de que sabemos que falseiam a verdade.

        Amigos mentirosos não os tenho. Os meus amigos, que não são muitos, dão-me a segurança de que é verdade o que deles ouço. E nem sequer me ocorre pensar se os fatos por eles narrados são ou não verdadeiros – e o que dizem dispensam quaisquer filtros contra a mentira.  




                                                          *  *  *  *  *  *


5 comentários:

Marli Boldori disse...

Pedro,gostei muito do seu post,mas me levou a pensar,quantas pessoas que estão ao meu redor mentem.Como bem disse em seu texto,todos já mentiram,mas quando a mentira é prejudicial,aí fica difícil.Parabéns pela mensagem.Um grande abraço!

BlackRose disse...

Καλησπερααα απο την Ελλαδα!!!
Helloooo from Greece and ΣτάΛες στο ΓαΛάΖιο blog team !!!
Πολυ ενδιαφερουσα η δουλεια σου...

Celêdian disse...

Boa tarde, Pedro!

É muito pertinente o seu pensamento de que a mentira, quando usada como subterfúgio de livramento de certas situações embaraçosas como no exemplo que citou, não é tão degradante quanto a mentira usada como estratégia de fazer perpetuar o mau caráter.

Um abraço,
Celêdian

Cirandeira disse...

A mentira é uma falha humana mais
comum do que se imagina, e na maioria das vezes está sempre camuflada. Tenho a impressão de que
as pessoas que utilizam esse artifício, o fazem por insegurança
ou devido a uma fraqueza de caráter
que, infelizmente existe em muitas pessoas próximas, ou distantes de
nós.

Um abraço

Josú! Barroso disse...

Olá, seja bem vindo!
É muito bom o conteúdo dos seus blogs,parabéns!