12 de fev de 2011

NELSON WENECK SODRÉ / O Modernismo






         
      O Modernismo não continha nada de revolucionário, no sentido de manifestação de interesse da classe operária ou dos trabalhadores não assalariados; representava um dos sintomas do avanço burguês, em nosso País, avanço que sempre busca apoio em camadas inferiores e pretende apresentar-se como da totalidade do povo e não apenas de uma de suas classes ou camadas sociais. As manifestações de radicalismo político que surgiram, no conjunto do Modernismo, esporádicas, isoladas, individuais, não caracterizaram o movimento. No conjunto e na essência, o Modernismo correspondeu às necessidades artísticas da burguesia brasileira, em seu processo ascensional. A ausência de qualquer sentido revolucionário autêntico, de exigência de alteração estrutural do regime, é fácil de provar. O simples fato de ter sua base em São Paulo já era significativo: o Modernismo encontrou ali, naturalmente, o agrupamento mais forte e mais organizado da burguesia; conseqüentemente, condições mais próprias, favoráveis, ambiente mais receptivo. 


                                                              
                                                                         (Nelson Werneck Sodré)



In, Memórias de um escritor – 1. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1970, p. 28-29.


Nenhum comentário: