15 de nov de 2011

DEREK WALCOTT - “Nós subestimamos o poder da poesia”



         Prêmio Nobel de Literatura, o caribenho Derek Walcott fala sobre a escrita e a paixão pelos poemas em painel na Fliporto [TAGS: Derek Walcott, Fliporto, Omeros, Poesia, Prêmio Nobel de Literatura] -    Jaqueline Gutierres.

        “O amor nos deixa em um estado de entrega, somos possuídos por ele, e isso é universal. A poesia em seus melhores momentos também faz isso. Assim como não podemos explicar a força do amor, também não entendemos o poder da poesia”, comparou Derek Walcott, durante o painel que encerrou os eventos de sábado, na VII Fliporto. Em conversa com o poeta pernambucano Marcus Accioly, Walcott se mostrou um apaixonado pela poesia e falou sobre sua principal obra, Omeros (Cia. Das Letras).

        Prêmio Nobel de Literatura em 1992, Walcott resistiu em classificar seu livro como um poema épico, “nunca quis encaixá-lo em uma categoria. Não o penso como épico, apesar de alguns elementos, como o mar e o céu, estarem presentes no livro”. O poeta completou falando sobre um dos grandes prazeres na escrita da obra, “fiquei muito próximo desses elementos que compõem o poema, os ventos, o mar e as pessoas que retrato”.

        Accioly, além de ler a versão em português dos trechos que Walcott escolheu para citar durante o painel, fez algumas perguntas, “bem complexas, por ser ele também um poeta”, como reparou o caribenho. Accioly descreveu o autor como “o poeta que é o próprio mar”, e questionou o porquê dessa presença tão marcante em sua poesia. “Eu vivo em uma ilha, acordo e vejo o mar todos os dias. Ele tem seu próprio drama, o clima muda, e as cores dele mudam junto”, respondeu Walcott.

         O entrevistado contou que seu projeto de escrever um poema caribenho em língua inglesa se consolidou quanto à origem, mas não quanto à construção. “Um poeta não tem tempo de criar a forma, por isso, copiamos estruturas, essa é uma dívida que tenho com minha terra.” Ressaltou, ainda, a universalidade da poesia, “existe a brasileira, como existe a inglesa, mas, de alguma maneira, elas são uma só. Poetas existem independentemente de país, raça e gênero”.

          [Derek Walcott, poeta e autor de peças teatrais santa-lucence (21/1/1930-). Prêmio Nobel de Literatura de 1992, sua obra é um retrato da cultura caribenha. Derek Alton Walcott nasceu na cidade de Castries, na ilha de Santa Lúcia (Índias Ocidentais, América Central.]


Nenhum comentário:

Postar um comentário

LOGO O SEU COMENTÁRIO SERÁ PUBLICADO.

OBRIGADO PELA VISITA.

PEDRO LUSO