26 de jul de 2012

MÁRIO DE ANDRADE / O Isolamento do Artista

Mário de Andrade
  
        
        Desde 1938, Mário de andrade dedicou-se ao exame do desvio da tendência individualista-formalista, central para a caracterização do período moderno, e, mais ainda, do contemporâneo. Ele percebeu que a situação do artista no mundo atual era de grande isolamento e a sua principal manifestação era o acentuado hermetismo das várias correntes artísticas, sobretudo na música e nas artes plásticas. O diagnóstico de Mário de andrade era partilhado  por diversos autores da época, entre os quais destacava-se Ortega  Gasset, com o livro de grande repercussão, A desumanização da arte, de 1923. Nesse pequeno clássico da estética do século XX, o filósofo indicou que todo o problema da nova arte estava em sua "intranscendência". Com a invenção  deste neologismo, Ortega quis lançar luz sobre uma situação em que a arte já não constituía um eixo  na vida dos homens, tinha se desumanizado, e passara a ocupar uma posição subalterna e periférica. O modo de ser isolado do artista contemporâneo ganhava sentido nesse contexto.

                                                                                (Eduardo Jardim)



        Trecho do livro de Eduardo Jardim, Mário de Andrade, Rio de Janeiro, Civilização Brasileira, 2005, p.110-111.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

LOGO O SEU COMENTÁRIO SERÁ PUBLICADO.

OBRIGADO PELA VISITA.

PEDRO LUSO