08/05/2012

MONTEIRO LOBATO / A Colcha de Retalhos

 Monteiro Lobato




        O velho pomar, roído de formiga, sucumbira de inanição; na ânsia de sobreviver, três ou quatro laranjeiras macilentas, furadas de broca, sopesando o polvo retrançado da erva de passarinho, abrolhavam ainda rebentos cheios de compridos espinhos. Fora disso, mamoeiros, a silvestre goiaba e araçás, promiscuamente  com o mato invasor que só respeitava o terreirinho batido,  fronteiriço à casa. Tapera, quase,  e, enluradas nela, o que é mais triste, almas humanas em tapera.

                                                            
                                                                       (Monteiro Lobato


        Trecho de A Colcha de Retalhos, que integra o livro Contos Pesados,  de  Monteiro Lobato, publicado pela Companhia  Editora Nacional, São Paulo, s/d (início do século 20), p. 67.